sábado, 5 de dezembro de 2009

Dicas, sensações e trapalhices

video

Com dois meses em Lhasa, incluindo algumas viagens às redondezas, deu para ter noção de como o povo Tibetano nao se identifica com aqueles que dominam a paisagem... militares ou turistas chineses que infestam o espirito religioso, curioso e alegre dos naturais por direito. Acho que estas três palavras são as que mais identificam este povo e as que podem melhor descrever a cidade talvés o sol, os peregrinos, a sujiade constante e o cheiro intenso a urina pelas ruas. Todas as ruas são mercado interior e exterior e em todo o lado é possivel negociar! Aliás... isso é a piada de comprar alguma coisa no Tibete! Ouçam o preço que eles dizem... no final tem que ser menos de metade, por vezes cerca de dez por cento do preço inicial! Completamente divertido! E se a vossa estadia apanhar o fim de semana, não há problema porque o ritmo da cidade é sempre igual, não há descanso. Caso precisem ir ao supermercado, atenção, nao vale a pena olharem para a data de validade porque são poucos os produtos que nao tenham expirado à alguns meses ou à alguns anos!!
Para comerem... o Namtso é sem dúvida o melhor restaurante de todos e o que tem comida ocidental que nao sabe a chinês! Para comida local, chinesa, ou nepalesa... o Snowland, o New Mandala, o Namaste e ainda para o melhor cheese cake da cidade, o Tashi I. É ponto obrigatório passarem pela Nunnery (convento) junto ao bairro muçulmano e experimentarem o sweet tea, os momos e a nodles soup ou "tukpha".
Vale a pena andar de taxi... é cerca de 1 euro sempre dentro da cidade e é uma aventura... ja me "borrei" varias vezes com as ultrapassagens pela direita e percursos em contramao e quase choques em cruzamentos! Mas vale a pena!
Mais coisas.... ahhh cuidado se virem uma velha louca a correr na vossa direcçao... ainda vos faz o que chamo de "tatuagem tibetana", sim foi comigo! a velha arranhou-me no braço e demorou quase um mes a sarar, agora tenho uma tatuagem rosada no braço.. lol
Cuidado com tudo o levam de líquidos, porque tudo fica sobre pressão. Claro que já tinha lido no lonely planet mas... fiz uma bela pintura na parede do hotel com o meu deodorante! hehehe parecia mais uma coisa pervertida na parede mas pronto...
Ao atravessarem a estrada nao olhem so para um lado ( o que devia ser) porque eles andam em contramao também! Incluíndo as bicicletas.. e se nao olham... podem ser atropelados ou atropelar alguma bicileta! Sim, atropelei um miudo que tava de bicicleta mas acho que ele ficou mais assutado que eu! hehe
Cuidado com os computadores... nos guias dizem que so a mais de quatro mil metros de altitude ha problemas mas os nossos ficaram um bocado marados, o meu agora tem a mania de desligar-se quando lhe apetece! E principalmente problemas com as baterias... quer dizer, a minha nem por isso, ja que foi gamada no hotel em pequim! =/ sim, alguem gamou-me a bateria! Mais.... os meus oculos partiam-se e nenhum oculista quis pôr umas hastes novas... nao sei o porquê, mas tive que improvisar com muita fita-cola. Houve umas quantas peripécias mas comigo basicamente foram estas, pelo menos que eu me lembre. Ahhh e uma coisa boa, a minha "juventude" marcou um monge... deu-me 16 aninhos! Que querido! Brincadeirinha... eles é que parecem muito mais velhos do que são, penso que por causa do sol que é tão forte e envelhece a pele.
Bem, nao me lembro de mais nada que possa ser assim resumido...
De qualquer maneira, têm que aprender a palavra "tashidêlêk" serve para tudo! agradecer, cumprimentar etc etc... calha sempre bem!
xau xau maltinha
p.s - quando voltámos a pequim, num dia estava um dia de sol, coisa rara! e no dia a seguir esteve um nevão que atrasou os voos todos!! Soubemos mais tarde que foi atificial, o departamento de climatologia decidiu que o tempo estava muito seco e injectaram quimicos no ar para chover o problema é que estava frio! Cai neve cai neve... lol

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Cinco dias até ao Campo Base do Evereste

video

Com o bjectivo de evitarmos as celebrações dos 60 anos da Republica da China, às quais por norma nao são "aconselhadas" a presença de turistas, saímos de Lhasa a 2 de Outubro, em três Land Cruisers. As raparigas num, os rapazes noutro e o terceiro era ocupado pelo professor, o guia e a Lucky.

Numa viagem de um dia inteiro passámos pelo Lago Yamdrok Tso, o mais importante a nivel religioso e onde o azul intenso da água e o céu limpo contrastam com os tons terra das montanhas. Seguimos para Gyantse, onde pudemos ver o Pelkor Chode Monestary e um dos três ainda restantes Kumbum (templo das 100.000 imagens), de onde se avistava na colina o Gyantse Dzong. Seguimos para Shigatse, a segunda maior cidade do Tibete, a seguir à capital, onde fomos jantar e dormir.

No dia seguinte foi tempo de visitarmos o Tashilhunpo Monestary e o mercado de rua. Seguimos caminho e parámos para almoçar numa cidade pequena, Shalu. Seguimos para Sakya, uma cidade completamente diferente das outras por que passámos. Em vez do branco preencher a cidade, era a vez do preto, cinzento e vermelho caracterizarem os edificios. O Sakya Monestary foi curiosamente assustador, perfeito para um filme de terror. Meio deserto, com animais mortos pendurados nas portas e onde ainda existe uma sala para aprisionar bruxas. Bruxas estas que são descobertas todos os anos! É verdade, estas coisas ainda existem!! Seguimos para Latse, umc "cidade" quer dizer... uma rua com casas dos dois lados... onde jantamos e dormimos no "Latse Framers Hotel", pelos vistos amigo de longa data do professor. A noite foi animada a recordar músicas de várias culturas com os locais.

O terceiro dia foi passado no carro... "Group picture" no ponto mais alto da nossa viagem, a 5220 metros acima do nivel do mar! Seguimos viagem a caminho do Campo base do Evereste mas quando chegámos o céu estava encoberto, nao dava para ver o "gigante". Agora so deixam acampar cerca de dois quilometros antes, onde tendas c lareira e mini mini cozinha estão montadas. Ao fim do dia fomos de autocarro até ao campo base, um verdadeiro carrocel, diga-se!! Mas tivemos que vir embora rápido... um problema qualquer nos nossos vistos... chatos dos chineses pah!! mas conseguimos convencer o guia e o motorista e deixaram-nos sair mal estivessemos fora dos olhares dos militares. Voltámos a pé, um caminho esplêndido... tivemos a sorte de as nuvens desaparecerem a meio caminho e a sessão de fotos começou!! Estávamos a olhar para o pico mais alto do mundo!! A noite foi passada com muito frio, mesmo com os imensos cobertores e houve ainda quem tentasse dormir la fora. -20º era o que o termometro marcava!! Mas foi a noite mais esplendida que vi... Monte Evereste, sem nuvens, lua cheia e cheio de estrelas!! incrivel!

No dia seguinte de manha, era hora de contemplar o Mt Qomolangma (nome local). Por volta das 7 da manha ja estava tudo a pé com as objectivas prontas para o nascer do sol, "Group Picture outra vez"!! Seguimos caminho e passámos ainda no"Rogbuk Monestary" a caminho de Shigatse outra vez onde fomos dormir. À noite tivemos direito a "Dico's", o Mac Donalds chines!!! Que maravilha depois destes dias a comer mal e porcamente! E ainda nos pusemos a animar a rua numa das maquinas de dança... (um pormenor... as maquinas são de pôr moedas, mas estavamos num país onde so existem notas!!! hehehe)

No ultimo dia, voltámos à estrada, parámos em Shalu, uma aldeia com meia duzia de casas e onde o mosteiro em reconstrução tem influências chinesas. Seguimos caminho até chegarmos a Lhasa, onde o banho e a boa comida do Namtso eram as duas coisas mais queridas!!!

Nisto tudo... o nosso condutor era um porreiro! A musica durante este cinco dias foi sempre a mesma, tocava e repetia, tocava e repetia... lol mas de certeza que era movido a bolachas porque cada vez que lhe oferecia cookies ele ficava todo contente e ultrapassava os outro jeeps!

A comida, as paisagens, o rabo quadrado das horas no carro, o mix de frio e calor e os imensoooossss check points dos chatos dos chineses fizeram parte desta experiencia brutal que cada vez mais fica limitada aos turistas!!! E sem duvida, ajudou para diminuir a lista de "coisas que tens que fazer antes de morer"!

Espero que gostem do viedo.. é uma pequena amostra desta aventura...

Carla

domingo, 22 de novembro de 2009

"O corpo gosta de se mover"

"O corpo gosta de se mover"... uma frase que me ficou na cabeça quando trabalhámos com Deborah Cohen, uma artista, arquitecta e dançarina dos EUA. Experiencia fantástica! Certamente nos marcou a todos, uns a mais que outros mas ninguém ficou indiferente ao contágio de tanta vivacidade! Além de nos ajudar a conhecermo-nos melhor, proporcionou-nos e puxou-nos para uma diferente perspectiva do espaço, a reagirmos com o nosso corpo em relaçao ao espaço envolvente e às pessoas que nos rodeiam.
Com dois dias de workshop, conseguimos acabar numa mini discoteca improvisada no pátio do hotel, a turma de oito - eu, mafala, diogo e sra (portugal), marie e mathieu (frança), mathias (lichtenstein) e espen (norway); Deborah Cohen; a Lucky (rapariga Tibetana... quase nossa guia) e todo o pessoal do hotel que os convidámos a juntarem-se a nós. Foi um mix de aprender e ensinar, quer coreografias tibetanas, quer ocidentais... Impecavel.
Como ja tinha dito... simplesmente uma experiência fantastica!
Não há duvida, há realmente pessoas que nos marcam...
carla

Mosteiros... há muitos!!

video

Desculpem mas hoje nao é um dia de muita inspiração! Apesar de ser domingo, a preguiça reina.. Entreti-me a fazer uma mini mini video com algumas imagens de vários mosteiros que visitei no Tibete (mais facil que escrever lol). Alguns em Lhasa, outros fora da capital e alguns na viagem de cinco dias até chegar ao campo base do Evereste.

Para quem viu o filme "Sete Anos no Tibete" e tem a imagem dos monges de vermelho, que cuidam de todos os seres vivos (no filme... as minhocas) e que acreditam fiamente na reencarnação... essa imagem para mim ficou mais clara que nunca! Durante estas viagens, tive a oportunidade de conseguir sentir um bocadinho a força que tem a religiao nestas pessoas! Mesmo para quem não é ligado à religião, como eu, consegue sentir um respeito imenso pelas suas crenças...
Bem, hoje nao é mesmo dia de inspiração! vejam o video para ficarem com uma ideia do que andei por la a ver! =) liguem o som porque foi uma gravaçao num dos mosteiros. Nao se houve bem, mas ao vivo arrepiava-me sempre que ouvia. São monges a entoar canticos...
See you!
carla

terça-feira, 17 de novembro de 2009

De língua para fora

Curioso, atento e sorridente é o povo tibetano. De expressões incriveis dignas de fotos ampliadas, ha reações diversas a quem lhes é estranho e carrega uma maquina fotografica consigo. Se ha alguns que fogem porque uma fotografia prende-lhes a alma neste mundo e nao os deixa reencarnar quando morrerem; outros ha que ate sorriem e pousam para a foto; e ainda ha os que se estreiam a ver uma camara e querem por tudo mexer nela e se cegam com o flash que dispara! É verdade, isto ainda acontece nos dias de hoje! hehehe
Num destes episódios uma criança sorriu para mim e deitou a lingua para fora... curioso, porque terá ela feito isso?! Conta a história... e encurtando... que um rei do Tibete era tão mau que tinha o sangue azul, sangue de touro. Ainda nos dias que correm, as pessoas "mostram a lingua" principalmente nos mosteiros em sinal de respeito e para provarem que nao teem a lingua azul, que nao são descendencia ou reencarnaçao do rei.
Curioso como o povo tibetano consersa certas tradiçoes! =)

Hasta**

As janelas que afujentam e aquecem


A arquitectura típica tibetana sobresai pelo seu aspecto primitivo, pelo uso das cores vivas, dos desenhos e decorações fortes e pelos espaços normalmente interiorizados. Uma caracteristica curiosa é a forma e significado das janelas e da sua "moldura".

Antigamente as janelas nao tinham vidro e devido ao clima da região eram tapadas por um pedaço de tecido estremamentre grosso e pesado, capaz de manter a temperatura no interior. Como ponto fraco dos edificios, etas averturas precisavam ser protegidas, assim a moldura representa a face e os cornos de um touro que afujenta os maus espíritos. A cor preta ajuda a absorver o calor durante o dia e a mante-lo durante a noite. Pode parecer muito primitivo mas a verdade é que a pedra mesmo à noite continua quente e a libertar calor! Um simboplismo "protector" aliado a uma questão prática construtiva!


Até à proxima**

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

TIBETE _ primeiras impressões



De uma humidade excessiva de Beijing, passámos para um calor intenso e hiper-seco em Lhasa. Mal saímos do avião, sentimos o ar a ser sugado e, mesmo passado um mês parece que há dias em que o ar nunca é suficiente, em que respirar fundo é uma constante insuficiente! Mal chegámos recebemos as "catas", são uns lenços brancos que significam respeito e servem para dar as boas vindas =)

No entanto, apesar da sensação sufocante, a paisagem enche-nos os olhos com cores tão vivas, com um contraste exagerado entre as montanhas, o azul das águas e o verde seco e amarelo torrado das poucas arvores no planalto entre o aeroporto e a cidade, que significa quase duas horas de viagem num minibus.
Tal como em Pequim, as pessoas, os carros, motas e bicicletas misturam-se nas ruas e, apesar de parecerem sempre caóticos, não se tocam, não se vêem acidentes…
Lhasa tem duas partes distintas, a old town, exactamente com as imagens que nos fascinam e a parte nova, completamente dominada por um carácter chinês. Duas escalas diferentes que não parecem a mesma cidade! Mas uma coisa é comum, a presença constanste de peregrinos e das suas prostrações.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Três dias em Pequim (ultima parte)











Bom dia minha gente!
Ainda é de noite, são cinco da manhã e é preciso despachar. Vamos paanhar o mini autocarro que nos leva numa viagem de três horitas até à Great Wall. Hoje o dia é todo para a Muralha da China. Depois da viagem são mais 12km a pé pela muralha, a subir e a descer, subir e descer… parecia que nunca mais acabava o percurso que tínhamos que fazer! Depois de quase três horas passámos por uma ponte à Indiana Jones e, como é Óbvio, “group picture”. Na última subida e por mais 40 Yuang descemos de slide até ao barco que nos levou ao restaurante. Mais três horas no autocarro de volta, ou melhor, no mini-autocarro onde o espaço para as pernas não chegava.
No MacDonalds em Beijing, um BigMac menu são 22Y, ou seja, 2,5euros e um cone de gelado são 0,22euros!! Maravilha =)

Três dias muito rápidos, cheios de coisas novas e onde os cheiros nas ruas são intensos, onde o calor, a humidade e o tempo nublado de poluição são constantes. Vimos uma vez o sol e foi possível olhar directamente porque estava coberto de poluição… tipo como quando vemos as vezes a lua durante o dia =/
Partimos às 7:45 da manha do aeroporto rumo a Lhasa, no Tibete.
fotos: ponte indiana jones; maquete de pequim; muralha da china_ à procura do fim; o sol de pequim.

Três dias em Pequim (2ª parte)











Good morning sunshine!
Está um belo dia… de nevoeiro, poluição, muito calor e muita humidade, para variar! Começámos pela old town, perto do nosso hotel. Realmente não tem nada a ver como resto da cidade. De uma escala megalómana passamos para espaços minúsculos onde parece que as pessoas se atropelam mas apenas nós nos atrapalhamos porque eles orientam-se perfeitamente. Toda a zona da old town parece um mercado, de lojas com cerca de 10m2, não são 100, são mesmo 10m2 onde a parte da frente é loja e atrás a casa, ou melhor, um amontoado de colchões ou beliches com espaço para um fogão também. Os cheiros nas ruas são estranhos e muito intensos!
As distâncias são grandes e, por vez à escala megalómana, vimos o Olympic Stadium “Bird Nest”, o “Water Cube” e mais alguns edifícios dos jogos olímpicos 2008. De barriga vazia e esfomeados, fomos até ao Wangfujing, a shopping street onde fomos almoçar e onde vimos os escorpiões, as baratas, os cavalos marinhos… tudo em espetadas (alguns vivos) prontos a assar a pedido do cliente! Não chegámos a experimentar mas vai ser ponto obrigatório na volta!
Nesse dia ainda fomos ver o CCTV, que ainda não está totalmente acabado, assim como a torre ao lado que ardeu em construção.
Antes do jantar o Knud (nosso professor) mostrou-nos a Silk Shop que aparece também no livro do Lonely Planet. Minha nossa!! É tão agressivo! Ficámos so meia hora e mesmo assim pareceu demais. Loja com cerca de 7 pisos em que os empregados de cada miniloja nos chama, agarra, puxa, prede, insulta e às vezes bate! Até comprarmos alguma coisa. È complicado sair de lá, mas coisa é certa, qualquer que seja o preço que eles digam, a nossa proposta é sempre 1/10 e se não aceitarem ao fim de algum tempo, começamos a vir embora que eles dizem logo “Ok Ok Ok” lol
Para acabar bem a noite, fomos experimentar um restaurante japonês. Sushi e com bastante sakê (álcool quentinho) à mistura, saímos de lá bem tortos e com um rombo de 10 euros cada um. Quando chegámos ao hotel, a bela da cervejinha a 4 yuang (de 0,68l… precisão na medida) ou seja, 0,40euros no pátio e uma boa conversa numa noite quente, desta vez com a presença do professor e a sua “história” do porquê o Tibete.
Está na hora de dormir e mesmo assim só vão ser quatro horitas de sono…
Hasta*
fotos: Cidade Olimpica (Bird Nest e Water Cube); CCTV e torre que ardeu; Old Town; Wanfujing

Tres dias em Pequim (1a parte)





Bom dia Pequim!!

São 8:30h (horas locais) e acabámos de chegar a Pequim. O aeroporto de Norman Foster é a primeira impressão de grandeza do país, onde nos sentimos minusculos e insignificantes. Com a segurança apertada e uma politica de saúde que se sobressaía, até camara para medir temperatura corporea havia... tudo para controlara gripe suína. O aeroporto é tao extenso que foi preciso apanharmos o tram até outro terminal para apanharmos as malas. Felizmente nao faltava nenhuma e à nossa espera estava um chinoca com um cartaz... era o nosso motorista! =)
Uma hora mais tarde e estavamos no "Red Lantern House" o nosso hotel durante as tres noites.

Sem dormir mas com muita vontade de aproveitar o tempo e ver o máximo possivel, só pousámos as coisas nos quartos e seguimos caminho. Minha nossa!!! que cidade enorme e caótica! O mais fácil é usar o taxi, mas é preciso mostrar sempre o destino escrito em chinês, ja que ninguém fala inglês! Custa em 10 a 20 Yuangs cada viagem dentro da cidade Ou entao o metro a 2 Yuangs. Uma dica, nunca compres mais que uma viagem em cada estação porque elas so são válidas nessa estação! lol
Directos à praça de Tianamen, fomos ver o Capital Museum e o Beijing Townplanning Exhibition.
Nessa tarde fomos almoçar/jantar perto do hotel "Pato à Pequim", uma palavra... óptimo! Foram três patos, todas as partes e de todas as formas. A carne assada, os ossos panados, a canja, as costelas fritas... muito bom mesmo. E depois a boa noticia, "Knud: Bem vindos à China, este jantar é pela NTNU!" =D

Mesmo cansados nao resitimos a uma cervejinha no pátio e a uma boa discussão sobre arquitectura, para variar...
Boa noite

terça-feira, 13 de outubro de 2009

22 Horas em Helsínquia

Desde ja peço desculpa pelo atraso... mas é complicado conseguir programas para aceder a blogs na China! Ponham as culpas nos chineses!! lol

Toca a acordar!!!
São seis e meia da manha e o despertador ja toca... é preciso estar na estação a tempo de partirmos as oito e meia. Chegámos ao aeroporto de Oslo as 14:30, mas o voo era so passado cinco horas =/ Mais duas horas no avião e estamos em Helsínquia. Ha que procurar um bom "spot" para dormir aqui no aeroporto, ja que so no dia seguinte íamos ver a cidade. O que valeu foram as trotinetes e as cadeiras de rodas para nos entretermos, antes de adormecermos nos bancos corridos com as luzes nas caras e o barulho das obras ao nosso lado! que bela noite!!

De manha aproveitámospara ir ver a cidade. O KIASMA de Steven Holl; o Finalnd Hall e o Quartel dos Bombeiros de Alvar Aalto; o mercado e as duas principais catedrais. Nao foi muito mas como ligação entre voos, ja foi bastante.
De volta ao aeroporto ha que fazer o check in outra vez rumo a Beijing, China. Durate quase oito horas, em vez de dormirmos pusemo-nos a ver filmes a viagem toda! Ou seja, chegámos a Beijing supostamente de manha (hora local) mas para nós ainda eram quatro da manha... espertos!!

O resto vai na próxima postagem - "3 dias em Beijing"

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Chegada a Trondheim, Norway


Noticias da chegada...


itenerário:

lisboa - munique - oslo... e depois comboio até Trondheim. ao todo, saí de lx as 12:30 e cheguei ao destino as 8h da manha do dia seguinte.


trapalhices:

mal saio do avião em Oslo reparo que deixei o telemovel no aviao!!! =/ tive que esperar tres horas p mo devolverem no "lost and found"

primeiras impressões:

- céu cinzento e chuva, muita chuva!

- viagem de autocarro urbano... 30nok, ou seja cerca de 3,5€!!! =/ nao me volto a queixar dos preços em portugal!

- sem residência, fiquei no "roof over your head" apinhado com 220 erasmus sem casa! Era o caos!! lol mas rapidamente a organização arranjou-nos uma casa para ficarmos durante duas semanas ate irmos para o Tibete.

- aqui todos sao prestáveis e ajudam sempre , ninguem aparece carrancudo! lol

- tudo é caro! carne, vegetais e principalemnte o alcool! a cerveja é o ao preço do camarao e o camarao ao preço da cerveja! o que fica em conta... douradinho com arroz!ou salsichas! =/

- os parques, arvores e jardins sobrepoem-se aos edificios. (normalmente casas enormes de madeira (predios altos sao poucos).

-cidade calma onde todos andam de bicicleta.


e para acabar esta "introdução"... a chuva, os dias cinzentos e a cerveja carissima continuam... um dia de sol e uma cerveja na mao são coisas preciosas! lol


até à proxima